Hero Image

Banir a publicidade e patrocínios a combustíveis fósseis na UE!

Todos conhecemos a guerra dos combustíveis de petróleo, gás e carvão e a emergência climática. Então, porque é que estas indústrias continuam a ter tanto poder para influenciar as nossas vidas e a nossa política?

Com a sua publicidade enganosa e patrocínios, as empresas de combustíveis fósseis ganham a aceitação social e o acesso político de que necessitam para bloquear a ação climática e dar continuidade aos seus negócios.

Pela paz, pelo clima e para proteger toda a vida na Terra, precisamos de agir: #BanFossilAds.

JUNTA-TE AGORA À INICIATIVA DE CIDADANIA EUROPEIA POR UMA NOVA LEI DA UE!

pessoas já assinaram a petição. Ajuda-nos a alcançar !

Como a Comissão Europeia precisa de verificar as assinaturas para considerar uma nova lei da UE, precisamos que nos forneças algumas informações específicas. Estes detalhes só serão utilizados para verificar a tua assinatura, nada mais.

Porque é que esta proibição é importante?

Estamos numa crise climática que está a conduzir a uma crise global de direitos humanos de proporções sem precedentes. Muitas comunidades na linha da frente da crise climática, particularmente as da África, Ásia e América Latina, já estão a enfrentar as consequências devastadoras de secas mais frequentes e intensas, inundações, ciclones e subida do nível do mar, que agora também atingiram a Europa.

Pela primeira vez, o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) declarou que as empresas tentaram desviar a mitigação do clima através de lobbying direcionado, estratégias de meios de comunicação social que induzem em erro e através da publicidade empresarial e da construção de marcas para retirar a responsabilidade das empresas para as pessoas. Este relatório de ciência climática também recomenda a regulamentação da publicidade corporativa. De acordo com o Climate Accountability Institute, empresas como a Total Energies e a Royal Dutch Shell, que estão entre as 20 empresas de combustíveis fósseis mais poluentes do mundo, continuam a promover os seus perigosos negócios através de anúncios e patrocínios.

Os anúncios de combustíveis fósseis podem incentivar a um aumento das emissões

Anúncios de produtos fósseis, tais como transportes que utilizam combustíveis fósseis, aumentam intencionalmente as vendas de produtos de combustíveis fósseis que aumentam as emissões de gases com efeito de estufa. Um estudo de caso numa única campanha publicitária da Audi constatou que houve um aumento das vendas impulsionado pela publicidade de até 132.700 automóveis. Quando multiplicado pela pegada de carbono por cada item vendido, revelou um aumento global das emissões de gases com efeito de estufa de 5.175.300 toneladas de dióxido de carbono (CO2) equivalente, tudo devido apenas a esta campanha publicitária. Isto não pode continuar a acontecer.

Os combustíveis fósseis têm impacto na poluição do ar, o que está a matar pessoas

Estima-se que a poluição atmosférica causada pela queima de combustíveis fósseis é responsável por 8,7 milhões de mortes em todo o mundo em 2018, mais do que as mortes relacionadas com o consumo de tabaco . Se os combustíveis fósseis são responsáveis por mortes por poluição atmosférica (e outras formas), porque é que ainda é aceitável que as empresas de combustíveis fósseis tenham uma plataforma pública? Se a UE proibiu a publicidade e o patrocínio do tabaco, não há motivo para não proibir também a publicidade e o patrocínio de combustíveis fósseis.

As empresas de combustíveis fósseis utilizam os seus anúncios e acordos de patrocínio para promover falsas soluções

As empresas de combustíveis fósseis utilizam a publicidade e o patrocínio para promover falsas soluções para a crise climática, tais como gás fóssil, hidrogénio fóssil, bioenergia e captura e armazenamento de carbono (CAC). Uma investigação do Influence Map revelou que as empresas de combustíveis fósseis pagaram ao Facebook mais de 9,5 milhões de dólares por publicidade que promovesse o gás como combustível "verde", e que reivindicasse os benefícios climáticos do gás fóssil. Estas soluções falsas são uma perigosa distração das soluções reais de que precisamos, tais como as energias renováveis. As empresas de combustíveis fósseis continuam a enganar e distrair o público e os políticos, e isto precisa de ser travado.

Acesso político

As empresas de combustíveis fósseis podem utilizar o seu patrocínio para obter acesso político e legitimidade social.

As empresas de combustíveis fósseis e os fabricantes de automóveis têm sido os patrocinadores oficiais da presidência rotativa do Conselho da União Europeia, onde os ministros nacionais se reúnem. A Porsche e a Audi, ambas propriedade da Volkswagen, patrocinaram a presidência da Áustria em 2018, enquanto a BMW patrocinou a presidência da Finlândia em 2019. Também em 2019, a presidência da Roménia foi patrocinada pelos fabricantes Renault e Mercedes, bem como pelos produtores de combustíveis fósseis OMV Petrom e Enel. A presidência da Croácia em 2020 foi patrocinada pelos fabricantes de automóveis Citroen e Peugeot, bem como pela companhia petrolífera INA.

No Reino Unido, uma investigação da Unearthed descobriu que a BP utilizou o seu acordo de patrocínio com o Museu Britânico e uma exposição específica, "Day of the Dead", para promover os seus planos petrolíferos no México e na Austrália. Isto vai contra a afirmação do anterior CEO da BP, Bob Dudley, de que apoiam as artes "sem compromissos".

O combustível fóssil, o automóvel e as companhias aéreas e marítimas enganam frequentemente o público, apresentando-se como amigas do ambiente

Muitas empresas de combustíveis fósseis salientam nos seus anúncios produtos amigos do ambiente, o que não representa o seu nível real de investimento em tecnologias renováveis ou verdes. No ano passado, a ClientEarth desafiou com sucesso o anúncio de energia renovável da BP, argumentando que 96% dos gastos da empresa foram em petróleo e gás. Estes anúncios manipulam o público a pensar que as empresas com elevado teor de carbono são verdes, quando muitas dependem fortemente dos combustíveis fósseis ou, por exemplo, ainda se candidatam à perfuração de mais petróleo novo no Ártico . Estas empresas destruidoras do ambiente não deveriam usufruir de uma plataforma pública publicitária quando conscientemente estão a contribuir cada vez mais para o desastre climático.

Os créditos compensatórios das empresas de combustíveis fósseis disfarçam a inação climática e causarão grandes danos

Muitas empresas de combustíveis fósseis anunciaram objetivos climáticos vagos e longe do "zero até 2050", que podem parecer ambiciosos mas envolvem poucas mudanças reais . Em vez de parar a extração e queima de combustíveis fósseis, as metas de "zero até 2050" das empresas de combustíveis fósseis baseiam-se em planos de compra de enormes quantidades de créditos de carbono para compensar as suas emissões. A compensação de carbono a esta escala deverá transformar vastas áreas de terra em plantações de árvores no Sul Global , o que ameaçará a produção de alimentos e as florestas naturais. Isto é particularmente prejudicial para a agricultura e comunidades indígenas que pouco têm feito para causar a crise climática, mas que já estão a sofrer graves impactos das alterações climáticas.

A crise climática afeta os direitos humanos e algumas empresas de combustíveis fósseis são acusadas de crimes contra as comunidades

A crise climática está a afetar os direitos humanos , nomeadamente os direitos das pessoas à vida, alimentação, habitação, água, saneamento e saúde. À medida que a emergência climática se agrava, haverá cada vez mais mortes, fome e migrações, e são as empresas que queimam combustíveis fósseis que estão a agravar esta crise. Algumas empresas de combustíveis fósseis estão também sob escrutínio devido ao seu alegado envolvimento em violações dos direitos humanos. A Amnistia Internacional apelou aos governos para que investiguem a Shell em três processos judiciais em curso . Estes processos questionam a cumplicidade da Shell na prisão, detenção e execução ilegais, bem como procuram compensação por derrames de petróleo e por poluição petrolífera sistémica e contínua. A Shell nega todas as queixas. A Total Energies tem sido acusada de deslocar efetivamente comunidades e de financiar ditaduras militares . Com estas alegações perturbadoras, e provas de que a crise climática está a afetar os direitos humanos, será seguro dar às empresas responsáveis pela emergência climática e crises de direitos humanos a oportunidade de se promoverem numa plataforma pública de publicidade?

Proibir a publicidade e os patrocínios de combustíveis fósseis!

Perguntas Frequentes

É o instrumento oficial de petição que a Comissão Europeia fornece aos cidadãos europeus para proporem novas leis da UE, se conseguirem gerar apoio suficiente.

A Iniciativa de Cidadania Europeia é um tipo especial de petição que a Comissão Europeia se compromete a analisar. Com uma petição normal, mesmo que consiga recolher muitas assinaturas, os políticos ou governos podem por vezes ignorá-la.

Com uma Iniciativa de Cidadania Europeia, a Comissão Europeia é legalmente obrigada a responder se mais de um milhão de pessoas apoiarem a ICE em menos de um ano e se as suas assinaturas forem verificadas. É uma ferramenta muito poderosa para colocar algo na agenda política da UE!

Não existem regras sobre quem pode assinar uma petição normal, mas para que uma assinatura seja considerada válida para uma ICE a pessoa que assina deve ser um cidadão de um país da UE e ter idade suficiente para votar nesse país. Uma ICE deve pedir às pessoas que assinam informações específicas para validar as assinaturas.

Para o teu apoio à Iniciativa de Cidadania Europeia ser considerado, é uma obrigação legal solicitar informações específicas sobre os signatários para que as autoridades competentes em cada país da UE possam verificar as assinaturas. Cada Estado-membro da UE determina que dados são necessários para verificar as assinaturas e, por isso, somos obrigados a solicitar essas informações a seu respeito. Mais informações sobre os requisitos e regras de dados aplicados em cada país estão disponíveis aqui.

Ao submeter o formulário ECI dará o seu consentimento para que os seus dados pessoais sejam utilizados apenas para os fins desta Iniciativa de Cidadania Europeia. Não serão utilizados para qualquer outro fim.

Estes dados são encriptados e armazenados em segurança num servidor que foi certificado pelas autoridades alemãs. Apenas uma pessoa - o representante oficial do grupo de organizadores do ECI - tem a chave.

Os dados serão retidos de forma encriptada durante o período de duração da ICE e não poderemos ver quem a assinou (para além dos números agregados). Os dados serão decifrados e partilhados com as autoridades competentes dos Estados-Membros da UE para serem contados no final da campanha.

Os organizadores armazenam os seus dados durante um período máximo de um mês após a apresentação da iniciativa à Comissão Europeia, ou 21 meses após o início do período de recolha, consoante o que ocorrer primeiro. O único caso em que os dados seriam armazenados por mais tempo é no caso de processos administrativos ou judiciais (por exemplo, se a validade das assinaturas for contestada). Neste caso, seria eliminado no prazo de um mês após a conclusão desses processos.

Mais informações sobre proteção de dados estão disponíveis aqui.

Utilizamos o Google Analytics para compilar estatísticas sobre a forma como o nosso site está a ser utilizado, o que nos pode ajudar a melhorar o nosso site e os serviços em linha.

Pode recusar a utilização do Analytics descarregando e instalando o Google Analytics Opt-out Browser Add-on. E pode pedir ao Google que forneça aqui um extracto dos seus dados relacionados com este website.

Tem o direito de solicitar o acesso, rectificação, eliminação e restrição do tratamento dos seus dados pessoais recolhidos através do formulário ECI. Se quiser fazê-lo, ou se ainda tiver dúvidas sobre a utilização dos seus dados pessoais, pode contactar o responsável pelo tratamento de dados da seguinte forma:

Silvia Díaz Pérez silviadiazperez.1984@gmail.com

Se desejar apresentar uma queixa sobre a forma como tratamos ou respondemos aos seus pedidos, pode apresentar uma queixa a uma autoridade de proteção de dados, em particular no Estado-Membro da sua residência habitual, local de trabalho ou local da alegada infração.

Precisamos de obter o apoio de 1 milhão de pessoas durante um período de 12 meses, ao mesmo tempo que atingimos um número mínimo de signatários em pelo menos 7 países da UE. Estão disponíveis aqui os números mínimos a alcançar em cada Estado membro da UE para as Iniciativas dos Cidadãos Europeus.

Para sermos bem sucedidos precisamos de recolher 1 milhão de assinaturas. Assina e partilha! Convida a família e amigos a assinar esta ICE, partilhando esta página nas redes sociais e utilizando a hashtag #BanFossilAds.

Se recolhermos 1 milhão de assinaturas verificadas num prazo de 12 meses, a Comissão Europeia é obrigada a discutir a nova lei que estamos a apresentar para proibir a publicidade e o patrocínio de combustíveis fósseis na Europa.

  • Na controversa lei nacional francesa sobre o clima e a resiliência, há algumas medidas a serem consideradas para limitar a publicidade tóxica. Haverá proibições ou limites à publicidade a produtos de combustíveis fósseis, ou qualquer situação de que se suspeite de “greenwashing”: a prática de atribuir virtudes ecológicas enganosas a produtos de combustíveis fósseis, ou sugerir erroneamente que um produto de combustíveis fósseis é neutro em carbono ou não tem efeitos climáticos negativos.
  • Em Dezembro de 2020, a Cidade de Amesterdão proibiu os anúncios de combustíveis fósseis.
  • A ClientEarth desafiou uma campanha publicitária de energia renovável da BP com base no facto de que esta induzia as pessoas em erro a pensar que a BP era uma empresa de energia renovável, quando na altura 96% dos gastos da empresa eram em petróleo e gás. Isto levou a BP a retirar o seu anúncio de "Possibilidades Avançadas" em 2020.